Tendinite

24/03/2010

As palavras terminadas com o sufixo ‘ite’ indicam um processo inflamatório. Tendinite, pois, é a inflamação que acontece nos tendões.

Esta inflamação pode ter causa mecânica (Movimentos repetitivos e/ou excesso de carga) ou química (Desidratação, uma alimentação não balanceada e/ou toxinas no organismo).

A tendinite se manifesta inicialmente com dores que são muitas vezes incapacitantes na execução de certos movimentos e normalmente os sintomas de aviso incluem sensação de dormência nos dedos, mãos frias e dificuldade de realizar tarefas simples como apertar um botão. A pessoa pode sentir dores ao subir ou descer escadas, caminhar, sentar, dobrar os joelhos, entre outras posturas ou movimentos. Já no caso da tendinite crônica, o diagnóstico em geral é mais difícil, por não haver aumento no fluido sinovial, o que requer mais cuidado nas investigações.

Exame clínico e anamnese (entrevista) são os primeiros procedimentos, em que o paciente relata suas queixas e dificuldades, exames complementares são muito importantes para confirmação da inflamação, desde raio-x até a ressonância magnética, cada um atua no diagnóstico de determinadas lesões. Podendo assim trabalhar com mais tranqüilidade e segurança.

Quanto ao tratamento da tendinite mecânica devemos estar atentos ao local da lesão, a confirmação do diagnóstico, carga a ser trabalhada, quantidade de repitições dos excercícios, orientar as correções do movimento, usar os recursos da eletroterapia e da crioterapia. E no caso da tendinite química, precisaremos da ajuda de uma equipe multi-disciplinar para chegar ao sucesso no tratamento.

Contudo a tendinite é uma condição de difícil tratamento, uma prevenção eficaz é a melhor solução. As medidas preventivas mais aconselhadas incluem a realização de pausas frequentes no trabalho, ergonomia, a diversificação e orientação de movimentos a ser realizados.

Dica:

Apesar do século XXI ter iniciado com uma mudança de pensamento quanto a prática desportiva, hoje é praticamente obrigatório fazer alguma atividade física em benefício a saúde. Atualmente a ordem é malhar e/ou se movimentar!

Mas muitas vezes praticamos exercícios sem qualquer critério e cada movimento por mais simples que seja, terá uma série de componentes envolvidos na sua realização. Para a obtenção de bons resultados, a pessoa precisa estar com a musculatura saudável e realizar os movimentos adequados, sem forçar demais os músculos e os tendões. Lembrando que as vezes a meia hora a mais no parque ou na academia pode trazer uma série de complicações, como inflamações, lesões, rupturas e acabam prejudicando o nosso próprio corpo. Estes tipos de situações são facilmente prevenidas evitando os excessos e respeitando os limites do nosso corpo.

Dicas para suas férias em uma longa viagem

27/01/2010

 

Não importa qual o tipo de condução, carro, ônibus ou avião devemos estar atentos a nossa coluna, pois durante longos períodos em uma mesma posição, erros posturais e alguns fatores de risco como sedentarismo, movimentos repetitivos, tensão muscular, falta de flexibilidade podem gerar incômodos para sua viagem de lazer.

Nessas viagem longas devemos proteger principalmente nossa coluna, para tanto, é necessário nos posicionar de forma correta no banco do carro, acento do ônibus ou avião. Devemos sentar sobre os ísquios (ossinhos do bumbum) de forma que mantenha um alinhamento adequado da coluna. Quanto aos pés, não deixe de movimentá-los a cada 15 minutos, pelo menos. Isso serve para estimular a circulação, evitando varizes e formigamento.

Para as pessoas que vão viajar de carros, algumas dicas: sente no banco do carro, sente sobre os ísquios, tente manter o alinhamento da coluna, depois disso ajuste o banco, as pernas e os braços devem ficar a uma distância adequada dos pedais e volante (a distância não deve ser nem longe e nem perto, pois evita tensões desnecessárias) e, após esses procedimentos, arrume seu espelho retrovisor. Se durante o trajeto o motorista perceber que não está enxergando bem pelo espelho retrovisor é sinal que saiu da posição adequada e deve realinhar o corpo, ou até mesmo fazer uma breve parada e alongar dentro e/ou fora do carro.

Já as pessoas que vão viajar de ônibus a dica é mudar de posição, isso porque os bancos reclinam e deixando a coluna mais relaxada quando se deita. Alem do mais os assentos são maiores comparados de um carro e oferecem maiores espaços para esticar as pernas e até mesmo fazer alguns tipos de alongamentos. Em média de 30 min em uma mesma posição nosso corpo já apresenta algum sinal de cansaço, com isso vem àquela vontade de alongar.

E para as pessoas que irão viajar de avião deve-se cuidar a inclinação da poltrona. O ideal é aproximadamente 90º. Vale lembrar que o viajante deve sentar sobre os ísquios, com os pés apoiados no chão formando um ângulo 90º entre quadril e joelhos. Outro segredo é manter esta posição ereta e manter uma contração abdominal. A cada hora de viagem colocar um travesseiro ou uma almofadinha por 15 min na região lombar para ajudar a manter a curvatura fisiológica e previne tensões.

Mas, vale lembrar que o mal-estar trazido por viagens é de curta duração. Em um ou dois dias, já foi embora. Já as dores persistentes são reflexos de nossos maus hábitos e para curá-las, é preciso aprender a reutilizar o nosso corpo, sem vícios de postura. Se algum desconforto incomodar por mais de três meses seguidos, procure imediatamente um ortopedista ou um fisioterapeuta.

Outras dicas: é bom sempre lembrar que a bagagem merece atenção. “Mochilas penduradas em um só ombro e malas de rodinhas muito baixas devem ser evitadas. Alterne o braço com o qual carrega ou puxa a bagagem” e também muito importante: evite fazer força excessiva com o transporte das malas. O alongamento é excelente alternativa de prevenção das tensões musculares e, de tempos em tempos, é saudável realizar exercícios específicos, para evitar dores musculares e articulares, além de problemas circulatórios.

 

Dentro do carro

Sentado, cruzar uma das pernas sobre a outra fazendo um 4 . Inclinar levemente o corpo para frente (mantendo a coluna reta). Ficar nesta posição por 30 segundos. Repetir do outro lado.

Objetivo: relaxamento e alinhamento da pelve, coluna lombar e prevenção de problemas nos joelhos.

Saiba mais: esta região tem pontos de tensão muito profundos, que podem irradiar dor para o rosto, os braços e a coluna.

 

Fora do carro

Em pé, pés paralelos e unidos, entrelaçar os dedos e colocar as mãos na nuca. Na expiração, fazer uma tração em direção ao teto ao mesmo tempo em que apóia os pés contra o chão. Repetir 3 vezes.

Objetivo: tracionar a coluna, ganhar espaço entre as vértebras e solicitar a musculatura profunda.

 

Movimento Enrolamento em pé

Em pé, pés paralelos, joelhos um pouco dobrados, mãos atrás da cabeça. Ir puxando a cabeça para baixo, fazendo um enrolamento da coluna. Quando chegar na altura do quadril; soltar as mãos em direção ao chão. Fazer 5 respirações suaves e longas e, em cada respiração, arrebitar o bumbum para o teto.

 

Contudo essas são apenas algumas dicas para uma boa viagem de férias, aproveite, descanse e divirta-se.

A História do Pilates

21/01/2010

 Joseph Hubertus Pilates (1880-1967) nasceu na Alemanha. Teve uma infância doentia, com asma, raquitismo e febre reumática. Resolvido a tornar-se fisicamente forte e saudável estudou anatomia, fisiologia, cultura física e ginástica além de vários esportes. Aos 32 anos mudou-se para a Inglaterra aonde trabalhou como lutador de boxe, artista de circo e treinador de auto defesa da polícia inglesa. Por ser alemão, em 1914, foi mandado a um campo de prisioneiros. Lá aprofundou seus conhecimentos sobre saúde e condicionamento físico e montou para os prisioneiros um programa de exercícios realizados no solo.

O reconhecimento inicial de sua técnica veio pelo fato de que nenhum dos prisioneiros daquele campo foi acometido pela epidemia de gripe que assolou e matou milhares de pessoas nos campos ingleses em 1918. No final da guerra foi transferido para a ilha de Man, onde passou a trabalhar na reabilitação dos feridos de guerra.

Para isto passou a criar e desenvolver exercícios com as molas contidas nas próprias camas da enfermaria e notou que esses treinos ajudavam a condicionar os pacientes debilitados, pelo longo período que permaneciam acamados e restringidos. As molas então passaram a servir para recuperar força, flexibilidade e resistência, além de restabelecer o tônus muscular dos internos mais rapidamente.

O refinamento destas técnicas de tratamento evoluiu para a criação dos equipamentos de mecanoterapia específicos do método Pilates – o Cadillac e o Reformer que continuam até hoje em uso.

Joseph Hubertus Pilates retornou para Hamburgo, ampliou seus conhecimentos e métodos e trabalhou principalmente com a força policial da cidade. Em 1926 decidiu imigrar para os Estados Unidos e junto com sua esposa, enfermeira que conheceu na viagem, montou em Nova York o Studio Pilates.

O método manteve-se durante muito tempo restrito ao próprio autor e seu Studio.

Pilates publicou apenas 2 pequenos livros e por receio da disseminação de suas técnicas, manteve o monopólio de seu conhecimento. Pessoalmente certificou apenas pouquíssimas pessoas. Baseou-se em princípios de cultura oriental, unindo noções de concentração e equilíbrio, percepção, controle corporal e flexibilidade, dando importância à força e ao tônus muscular.

Concentrou-se na tentativa de controle, o mais consciente possível, dos músculos envolvidos no movimento. A isso chama de “contrologia”.

 

São 6 os princípios fundamentais:

Concentração: a atenção que é dada para cada uma das partes do corpo. Nenhuma é relegada. Busca-se a maior eficiência possível. O objetivo da técnica é o aprendizado motor.

Controle: a consciência dos músculos agonistas, isto é, dos realizadores de uma atividade específica, mantendo um padrão suave e harmônico do movimento.

Precisão: importante na qualidade do movimento, principalmente no realinhamento postural do corpo.

Centramento: este princípio foi chamado por Pilates de “Powerhouse” ou centro de força.

Considerado por Pilates o ponto focal para o controle do corpo. É formado por 4 camadas de músculos abdominais: o reto do abdome, oblíquo interno e externo, transverso do abdome; pelos eretores profundos da coluna, os extensores e flexores do quadril, juntamente com os músculos do períneo. Esse conjunto muscular forma uma estrutura de suporte responsável pela sustentação da coluna e dos órgãos internos. É o centro de força.

Respiração: Pilates considerava a respiração correta como fator essencial no início do movimento. Em seu método descreve um padrão respiratório específico que pretende diminuir o cansaço, otimizar e ampliar a capacidade respiratória.

Movimento Fluido: refere-se ao tipo de movimento, que deve ser controlado, contínuo e leve, absorvendo os impactos do corpo com o solo, utilizando a inércia e evitando choques que poderiam levar ao desgaste prematuro.

 

Equipamentos para exercícios no método Pilates

Além dos exercícios no solo (MAT-Pilates), o método utiliza vários aparelhos complementares:

Reformer: O primeiro equipamento construído por Pilates. Em forma de cama, é composto por um carrinho deslizante que se move sobre trilhos e é ligado a molas para oferecer resistência variável. Os exercícios neste aparelho são tipicamente para as coxas (lateral, anterior e posterior), o abdome, o quadril e o peito, e são especialmente benéficos para a coluna vertebral rígida.

Cadillac: Possui 2 barras de ferro fixas a um colchão, barra de trapézio, dois pares de alça de tornozelo e coxa ajustável, duas barras móveis- uma horizontal e outra vertical, e nele realizam-se exercícios em posição sentada, deitada, ajoelhada ou em pé . É utilizado para os exercícios aéreos. Permite fazer mais de 200 exercícios. O enfoque maior é nos pés, coxas, coluna vertebral, cintura pélvica, abdômen e ombros.

Wall-Unit: É um aparelho compacto do Cadillac, sendo utilizado para o trabalho de todo o corpo, a vantagem de deste aparelho é que otimiza espaço, por ser menor, podendo ser substitiudo pelo Cadillac, no entanto, não consegue suprir os exercícios aéreos.

Combo chair: É um aparelho em forma de cadeira com estrutura de madeira, molas com resistências diferentes, parafusos em escalas (alavancas) e ganchos em dois pedais. Usado para exercícios de sustentação postural. Excelente para reabilitação do joelho, trabalha também coluna, ombros, abdômen e extremidades superiores.

Barrel: É um aparelho formado por um meio barril almofadado, ligado a um espaldar à sua frente. Usado para fortalecer o tronco, o abdômen e para alongar a musculatura da região posterior da coluna.

Complementos: São usados vários complementos como bola, almofadas,  meia lua, alças pra mãos e pés, magic circle, step barrel,  etc..

 Técnica:

A técnica de Pilates divide-se em exercícios realizados no solo e em aparelhos. Os realizados no solo (Mat-Pilates), caracterizam-se por ter um caráter educativo, enfatizando o aprendizado da respiração e do centro de força. Ja os exercícios nos aparelhos abre-se uma imensa variedade de movimentos, mas em todos eles são moveimentos rítmicos, controlados e associando a respiração, fluidez, crescimento axial e correção postural.

Ergonomia

20/01/2010

A revolução industrial iniciou na Inglaterra na primeira metade do século XIX. Caracterizou-se por imensa transformação social, determinada pela produção em grande escala, mediante a utilização crescente de maquinas. O ritmo de trabalho foi acelerado. O importante era a produtividade, não importando o preço do desgaste humano.

A prevalência deste princípio sobre a população operária, que era submetida a estafantes jornadas de trabalho, provocou o aparecimento e a proliferação de doenças como a tuberculose, alcoolismo, acidentes de trabalho, provenientes da exploração de jornadas de 16 horas diárias, inclusive utilizando crianças.

  

Ergonomia

É o estudo cientifico da relação entre o homem e o seu ambiente de trabalho. A melhor maneira de executar um serviço, a utilização dos recursos mais apropriados, a organização dos procedimentos e do local de trabalho, o uso correto e a manutenção dos equipamentos necessários.

É uma ciência multidisciplinar e envolve estudos relativos a outras ciências: Fisiologia, psicologia, biomecânica, antropometria.

  

Saúde ocupacional

A organização mundial de saúde e a organização internacional do trabalho definem saúde ocupacional como a promoção e a manutenção do bem-estar físico, mental e social dos trabalhadores, a prevenção dos agravos à saúde causados pelas condições de trabalho e adaptação do trabalho ao homem e de cada homem à sua atividade.

  

Intervenção Ergonômica

Ergonomia de correção: Atua de maneira restrita, modificando elementos parciais do posto de trabalho, como dimensões, iluminação, ruído, etc.

Ergonomia de concepção: Interfere amplamente no projeto do posto de trabalho, da máquina ou do sistema de produção, organização do trabalho e formação pessoal.

  

Áreas de Intervenção Ergonômica

– Na Maquina: parte física do posto de trabalho. Inclui ferramentas, equipamentos, mobília.

– No Ambiente: são as instalações. Inclui iluminação, ruído, temperatura, umidade relativa do ar, velocidade do ar, planejamento das cores.

– No Homem: estudos de erros e acidentes, estudo do gasto energético, fadiga, motivação e treinamentos.

– No Processo: maneira pela qual as atividades são realizadas, as rotinas, os protocolos e procedimentos empregados, ou seja, é a organização do trabalho.

  

Cuidados Posturais

– Pegar a carga de forma simétrica de forma simétrica para evitar rotações da coluna lombar;

– Nunca realizar movimentos de inclinação e rotação ao mesmo tempo;

– Aproximar a carga do corpo antes de elevá-la;

– Nunca carregar peso sobre a cabeça;

– Ergonomia no trabalho na posição sentado;

O trabalho sentado apresenta- se ideal sob o ponto de vista do gasto energético, porém promove distúrbios osteomusculares e contribui para o sedentarismo.

 

Posição Sentada

– Ocorre aumento da pressão do disco intervertebral;

– Sentar na cadeira sem cruzar as pernas, manter a curvatura fisiológica da coluna;

– Nunca curvar o tronco sobre a mesa;

– O peso da mochila não deve exceder 6% do peso corporal.

 

Ergonomia do Lar

As atividades domésticas representam uma das maiores ocupações humanas em todo o mundo. Nelas estão envolvidos adultos e crianças, com predomínio do sexo feminino.

O fisioterapeuta deve estar atento à ergonomia no lar, não apenas para a execução de projetos, mas também para garantir o êxito de seu tratamento.

Um apoio dorso lombar reduz a pressão nos discos. Quanto mais inclinados para trás estiverem as costas, tanto menor será a pressão nos discos lombares. A postura melhor é quando o assento e encosto forma um angulo de 100 a 110 graus.

O músculo da cervical: uma flexão de cabeça por longo período de tempo na posição sentada resulta numa tensão por estiramento muscular, enquanto uma extensão motiva uma tensão por encurtamento muscular.

 

Trabalho estático e dinâmico

Estático: exige contração continua de alguns músculos para a manutenção de determinada posição.

Quando há inclinação anterior de tronco, os músculos paravertebrais desenvolverão uma tensão exacerbada, devido à incidência da força da gravidade.

Como estes músculos estão fixos nas vértebras, esta contração resulta em aumento da pressão dos discos lombares.

Este aumento de pressão se dá de forma assimétrica, ou seja, a parte anterior do disco se apresenta sob pressão e a parte posterior do disco se encontra sob tensão, forçando o núcleo pulposo para trás e favorecendo os desarranjos intervertebrais.

Dinâmico: permite contrações e relaxamentos alternados nos músculos.

 

Ergonomia na escola

– O mobiliário das escolas não é bom. Existem projetos de cadeiras ou carteiras para cada faixa etária;

– Cadeiras impróprias;

– Posturas inadequadas;

– Mochilas pesadas.

 

Fisioterapia preventiva

– Andar o mais ereto o possível;

– Carregar a mochila o mínimo necessário;

– Usar carrinhos com rodinhas, sem realizar torção de tronco.

– Posição para dormir

– Colchões muito macios não sustentam as partes pesadas do corpo, que tendem a afundar.

– Colchões duros demais não acomodam adequadamente as curvaturas do tronco.

 

Erros do dia-a-dia

– Calçar meias em ortostase, o tronco permanece fletido podendo promover lesão;

-Usar travesseiro alto;

– Vestir roupas ou sapatos sentado;

– Sapato alto promove hiperlordose lombar, alteram a marcha normal, uma vez que o apoio e deslocado para a região anterior do pé;

– Sapato com solas rígidas, tipo tamanco, dificultam a marcha;

– Carregar bolsas pesadas;

– Sentar bruscamente ao acordar.

 

  Ergonomia no trabalho informatizado

– A mesa deve possuir bordas arredondadas para evitar compressão mecânica de punho;

– Superfície da mesa deve ser fosca para evitar reflexos de luz;

– A mesa deve possuir regulagem de altura;

– Se for fixa: 74 e 76cm de altura;

– Prancheta recomendada para atividade de digitação de dados. Deve apoiar o documento entre o teclado e o monitor ou ao lado do monitor;

– Tela anti-reflexiva.

– Postura sentado

– A má postura pode gerar dores nos ombros, cabeça, nuca, costas e pernas;

– A boa postura promove sensação de bem- estar, dificultando o aparecimento de fadiga e dores;

– A coluna e a cabeça devem estar eretas, mantendo curvatura fisiológica;

– Deve sentar bem apoiadas no assento;

– Apoio para os pés;

– Cadeira de altura regulável;

– Parte anterior da cadeira deve ter curvatura para baixo;

– O encosto deve apoiar a região lombar;

– Sentado com ângulo de coxa- tronco de 90 a 110 graus;

– Devem possuir rodinhas;

– Monitor com distância dos olhos entre 40 e 60 cm;

– Posição do monitor deve ser perpendicular à janela;

– O topo do monitor deve estar no nível do olho;

– Uso da tela clara com letras escuras;

– Acessórios para punhos reduzem a compressão mecânica para antebraço;

– Apoio para pés facilita o retorno venoso;

– Os punhos alinhados com o antebraço;

– Pausas periódicas;

– O cotovelo durante a digitação deve formar um angulo de 90 graus.

 Dicas de exercícios:

Incontinência Urinária Feminina

19/01/2010

 

O que é incontinência urinária?

É a perda involuntária de urina.

 

Quais tipos?

 A incontinência urinária pode ser de 3 tipos.

– Esforço (ocorre o aumento da pressão abdominal). Ex. risos, espirro, tosse.

– Urgência (vontade de urinar, mas sem tempo hábil de chegar ao banheiro). 

– Mista (ocorre a incontinência de esforço com urgência ou instabilidade do músculo detrusor).

 

 Isso é normal?

Não! Com o aumento da idade as mulheres têm uma maior chance de ter perda de urina, mas existe tratamento.

 

Por que ocorre?

Ocorre devido fraqueza da musculatura que ajuda a “segurar” a urina; e dificuldade de controlar a bexiga.

 

Fatores agravantes:

– Gravidez

– Obesidade

– Ir poucas vezes ao banheiro urinar

– Perda de força muscular

– Idade

– Genética

– Cirurgias pélvicas 

– Deficiência hormonal

– Doenças metabólicas (diabete)

– Doenças neurológicas

 

O que deve ser feito?

Procure seu médico e relate o problema, o mesmo fará o encaminhamento para o serviço de Fisioterapia.

 

Como tratar?

Basicamente através de reforço de musculatura, exercícios e eletro-estimulação.

Benefícios do tratamento

– Diminuição e/ou desparecimento da perda involuntária de urina

– Aumento da auto-estima

– Melhora do convivio social

– Melhora do desempenho sexual

 

Diagnóstico Cinético-Funcional

16/01/2010

O que é diagnóstico cinético-funcional?

O Diagnóstico Cinético-Funcional, ou Diagnóstico Fisioterapêutico, é a conclusão que o fisioterapeuta emite sobre um conjunto de informações acerca da funcionalidade do corpo humano, principalmente a motora ou músculo-esquelético.

Como é feito este diagnóstico?

A formulação de um Diagnóstico Cinético-Funcional é normalmente realizada com base na entrevista (anamnese) e exame físico do paciente, quando são identificadas as limitações e disfunções. O agrupamento e análise desses dados pelo fisioterapeuta resulta numa conclusão acerca do estado funcional do paciente. O Diagnóstico Cinético-Funcional pode então ser utilizado para que um programa objetivo de treinamento e/ou reabilitação seja posteriormente prescrito para esse paciente.

Pilates

16/01/2010

O que é o Método Pilates?

O Método Pilates foi elaborado no começo do século vinte pelo atleta alemão Joseph Hubertus  Pilates como um sistema de exercícios para melhorar a flexibilidade, consciência corporal, equilíbrio e força.

Por que praticar o Pilates?

O método Pilates é indicado para reabilitação física, condicionamento físico geral e bem-estar. Ele promove a harmonia, flexibilidade e equilíbrio muscular, considerando que aula é supervisionada por um instrutor que interage com o aluno ou pequenos grupos, orientando às necessidades de cada indivíduo. Desta forma, o Pilates pode ser praticado por pessoas de todas as idades e níveis de condicionamento físico. Além disso, o Pilates ainda trás como benefícios a melhoria da concentração, coordenação motora e consciência corporal.